sexta-feira, 15 de abril de 2011

Carta aberta.

"Oi.
Eu já entendi que você não quer falar comigo. Então decidi te escrever. Sei que você lê tudo que eu escrevo. Lembra? Foi assim que a gente se aproximou... você dizia que amava ler o que eu escrevia... Então, esse texto agora é pra você.
Não entendo bem seu motivo pra querer fugir de mim, ou de nós. Na verdade, acho que eu entendo e só finjo não entender pra não doer mais.
Tudo que eu queria te dizer é que eu penso bastante em você. Mesmo com nosso distanciamento. Mesmo eu trabalhando tanto e com tantas coisas pra fazer. Eu penso mais de manhã... e a noite. Penso como era gostoso nossas conversas, e nossos carinhos. Eu só queria um pouco disso, entende?
Penso nas coisas bacanas que você dizia. Você sempre foi tão corajoso, sempre disse palavras tão intensas. É estranho não ter coragem de me enfrentar. Não enfrentar assim, de brigar, sabe? Mas enfrentar de dizer o que pensa, o que sente... ou o que não sente mais.
Eu queria poder olhar nos seus olhos pra ler o que se passa neles. Mas você não deixa. Eu só queria te abraçar de novo, pra poder sentir seu calor de pertinho... pra sentir se ainda existe calor, entende? Porque tá tudo tão frio, e eu não gosto de frio. Você sabe, eu chego a bater o queixo quando tá frio, não gosto. E eu não posso fazer você me tirar o frio, por isso eu preciso saber. Preciso saber se eu continuo te esperando pra me cobrir a noite, ou se faço um chá pra me esquentar. Eu sei que você prefere café, por isso eu preciso saber, tá me entendendo? A máquina de café quebrou, faz tempo que você não vem e eu não mandei consertar. Se você não me quiser mais, tudo bem, mas por favor, me fala. Eu nem mando a máquina para o conserto. Vou sentir falta. Muita. Não da máquina de café, vou sentir sua falta. Mesmo longe você está presente em tudo que eu faço, todos os dias. Só me esqueço um pouco quando estou estudando, mas no restante do tempo sempre lembro de você. Desculpa, não quero te sensibilizar com meu romantismo. É só um desabafo mesmo, de uma mulher que tem muito pra fazer, pra viver, mas que para a vida de vez em quando pra sentir saudade sua. Pensa direitinho... não vou morrer de amor se a gente se perder, nem posso garantir que você é o homem da minha vida inteira. Mas é o homem da minha vida. E seria bom se a gente tomasse um café de novo... depois que consertar a máquina.
Beijo."

9 comentários:

  1. Ai Fer...
    Vc é ESPECIAL demais!
    Bjo!

    ResponderExcluir
  2. Coragem... mas depois de arrumar a máquina de café, me chame.. heheh
    beijoss

    ResponderExcluir
  3. Essa parte que você diz: É estranho você sempre foi tão corajoso, mas não tem coragem de me enfrentar, foi a mais pura realidade do que acontece...Perfeito!

    ResponderExcluir
  4. Linda sua carta! Manda consertar logo essa máquina, pq depois que ele ler a carta, vai com certeza aceitar o café. Ainda bem que não faltam boas cafeterias pela cidade... Vai que a máquina não fica pronta a tempo...

    Beijo no seu lindo coração.

    ResponderExcluir
  5. só vim aqui pra dizer q choro toda vez q leio... e olha que nem tomo café...

    ResponderExcluir
  6. Nossa!!! É a carta q eu queria escrever nesse momento! Posso roubar? rsrs Beijo

    ResponderExcluir
  7. Eu tbm não entendo o motivo para ele querer fugir de mim... e o café? ele adora mesmo, e eu não... ai Fer, parece que vc lê as pessoas, mesmo as que vc nem vê direito... tbm me faz chorar, sempre...

    ResponderExcluir