sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

A menina dos doces


Ela anda, ela dança, ela flerta. Adoçando com fumaça de praliné o cinza das cidades.

Forma melodia açucarada com as buzinas e britadeiras.
Ela flutua entre as paredes exalando seu perfume de balas de goma.
Sorri de cócegas dos raios de sol na cintura. Raios de mel contornando as preocupações.
Lambuza com calda de chocolate os atrasos e gritos.
Ela adoça a vida. Ela é doce. Ela é a menina dos doces.
Tem blueberry no olhar e sorriso de cereja fresca.
Carameliza os sorrisos. Embriaga com licor os desejos.

Recheia os dias com creme de avelã.
Sutil e delicada como algodão doce.

Esfria os ânimos com sorvete.
E massageia o imaginário com pedaços de doce de leite.
Faz chover flocos de arroz. Confeita com marshmallow os caminhos.
Necessária como calda vermelha na maçã do amor. 
Ela salva. Ela mata. 
Não enjoa... 
E vicia.


4 comentários:

  1. É estranho e me desculpe a ousadia, mas sinto sua essência em cada palavra escrita aqui!

    Obrigado por mais um texto!

    ResponderExcluir
  2. Fer não podia deixar de comentar esse texto, adoreiiii, pra mim foi demais ler, pois amooo doces, sou até um pouco viciada, daquelas que tem sempre que comer um docinho.
    Fiquei imaginando o caminho percorrido do texto citado, inspirador como tudo que você escreve.

    ResponderExcluir