terça-feira, 1 de maio de 2012

(mu)danças

Mudei o cabelo, os bares, a cor do esmalte. Troquei o vinho por cerveja e o bistrô francês por queijo coalho. A fronha do travesseiro não é mais branca e a sapatilha tem sido meu máximo de sofisticação.
Desliguei a TV e o rádio, liguei a respiração. Passei a assistir meus sonhos e dar risada do chute na quina do móvel. Voltei a dançar. Valor hoje, é para a presença. Presença, a quem faz bem.
Tenho falado menos, trabalhado mais. Subi uns centímetros do vestido e desci outros da preocupação. Planejo e executo. O tapa do orgulho deixou de arder.
Troquei os amores e o jeito de amar. Troquei a pulseira. O local da viagem. Comprei cama nova.
Aprendi baixezas e elevação do espírito. Já sei dizer "wherever". O romantismo é só visita e a expectativa é isso, ex. 
A argila dos princípios secou. Alguns inclusive, quebraram. Mesmo andando em círculos as árvores cresceram, reformaram o asfalto. 
Notei que colo mesmo, só o tempo dá. O bumerangue volta, mas por um outro trajeto. A vida mudou, me mudou... inclusive ao me fazer entender que certas coisas são imutáveis.

Mesmo com a pele envelhecendo, o inesquecível tatua. 




4 comentários:

  1. Perfeito Fer, esse texto se encaixou muito com o momento que estou passando agora.
    Costumo dizer que chega um determinado momento da nossa vida que temos que mudar tudo, até mesmo para crescermos...

    ResponderExcluir
  2. Que lindo *_*
    Estou nessa transição.
    Só é difícil quando você se vê com outros olhos, mas aqueles que te rodeia, ainda vê aquela de sempre.

    ResponderExcluir
  3. Guria, vc me arrepia com seus textos que sempre arrasam, vc tem um quê de Martha Medeiros aí embutido em vc!

    Beijo enorme.

    ResponderExcluir