terça-feira, 26 de abril de 2011

Considerações sobre Comunicação.

A pessoa que parece ter formiga na cadeira e não consegue ficar parada, além de trabalhar (em três lugares), ser metida a bailarina, querer manter um blog pessoal e (tentar) ser dona de casa, também resolveu estudar. Sim, depois de cinco anos que me formei, volto às salas de aula pra estudar Comunicação. Nunca pensei que discutir semiótica por horas fosse tão divertido!
Como toda boa nerd que ultrapassa os limites da sala de aula e passa a analisar tecnicamente tudo, hoje parei pra pensar na importância da (boa) Comunicação na nossa vida. Parece um assunto meio óbvio, mas na verdade não queria fazer uma análise técnica, mas sim humana, com todas as inseguranças e deslizes que isso pode trazer.
Nunca fui exatamente um exemplo em oratória, mas também nunca desmaiei ao falar em público. O engraçado é que, dependendo do público, a gente trava. Li isso ontem, se não estamos seguros o suficiente quanto ao que vamos dizer, o tipo de público nos intimida. Falo o tipo de público porque quando sabemos que são pessoas leigas, nos sentimos mais à vontade pra bancar o bam-bam-bam e discursar por horas. Mas quando se trata de um público que domina o assunto, ele domina você também, e só um orador muito seguro pra encarar e realizar essa missão.
Passemos tal situação pra nossa vida, cotidiana. Quando precisamos muito falar com alguém, tendo essa pessoa uma importância relevante pra nós, e estando inseguros quanto às nossas certezas, trava. Não sai, bancamos o tio gago, fazemos um 'embromation' e nada... tínhamos uma bíblia pra rezar na ponta da língua, mas ali face to face a história muda de figura.
Claro que não tô generalizando, aliás admiro demais os que conseguem se comunicar e se fazer entender independente da situação. Mas com esse dom eu não fui agraciada. Sempre me comuniquei melhor escrevendo. Como dizia um amigo: "com um email seu, você consegue até a fórmula da coca-cola". É, realmente através das letras me faço entender melhor. Nunca tive grandes problemas com a fala, mas em alguns momentos importantes eu também "travei".
Seis anos de comércio. Não dá pra negar que isso ajuda demais né? O poder de persuasão de muitos vendedores é incrível e eu aprendi muito com isso. Mas, é venda... convencer do concreto é fácil. "Compra, porque esse produto é bom e vai te trazer muitas vantagens." E convencer do abstrato? "Fica, eu preciso dizer como eu me sinto..." - difícil, muito difícil... pelo menos pra mim. Se um dia eu quiser te dizer como eu me sinto, por favor, ouça! É um lapso desses que só dá a cada década.
Eu escrevo. E amo! É uma das minhas maiores paixões, aliás, já virou necessidade. Se tiver um texto meu dedicado a você, pode se achar... Eu escrevo com a minha alma, profunda e verdadeiramente. Quem já me inspirou a escrever pode acreditar que foi através de sentimentos e/ou sensações puras e intensas.
Porém, em um mundo completamente virtual, onde uma conversa 'olho no olho' muitas vezes é considerada bobagem, espero sinceramente não me prender demais nas palavras escritas e esquecer das vozes, dos sabores, dos cheiros... Não quero ser uma velhinha agarrada ao notebook e descrente nas pessoas. Quero vida além dos textos. Quero vida. E quero textos. 
Então que a pessoa escreve pelos cotovelos e não sabe a hora de parar. Tá, parei. Vou ouvir Kings Of Leon e tomar sorvete de Ferrero Rocher. Existe vida além do teclado... até amanhã pelo menos.

6 comentários:

  1. Linda, linda, linda... eu sempre falei muito e travei diante do importante. Encaro platéia em show, sala de aula... etc...
    mas qdo a coisa mexia muito e fazia gaguejar eu escrevia... minha mãe jah recebeu vários bilhetinhos chorosos no travesseiro " Desculpa, mamãe, fiz arte"...
    Não, vc não vai envelhecer com o notebook pq eh a convivência e a vivência de seres humanos q te faz escrever...
    sou sua fã confessa...
    beijo enorme...

    ResponderExcluir
  2. Ameiiii Fer, de final de semana, ou as vezes em feriados prolongados, sempre tiro um dia para não entrar na net e nem olhar para o computador, temos que viver sim o mundo aqui fora, mas pelo tanto de coisas que você faz, tenho certeza que vive e vive muito.
    Em relação a expressar sentimentos tenho que admitir que sei demostrar até demais, em gestos, em palavras, em tudo, sou a verdadeira sentimentalóide em pessoa.
    E fico feliz que você consiga demonstrar os seus sentimentos escrevendo, para nós fãs dos seus textos é importantíssimo e inspirador ler Singularidades...

    ResponderExcluir
  3. Fer, fã sua...não tem como não ser. Comunicação, aliás é o que não te falta. Kings of Leon e Sorvete de Ferrero, devíamos ser irmãs viu?? kkk beijoooo

    ResponderExcluir
  4. A imagem que tenho de você é de uma mulher eloquente, persuasiva e bem articulada, seja escrevendo ou dançando. Gosto do equilíbrio, harmonia e perspicácia de tempo e lugar que encontro em seus textos, e a segurança que advém da sua dança.
    Se a comunicação é uma arte, ocê é uma artista, trenzim! rsrs

    Bjim.

    @ChrisRibeiro

    ResponderExcluir
  5. Queridíssima,

    adorei suas considerações! Meus parabéns pela sua iniciativa de voltar às salas de aula, afinal, cada nova sala de aula traz consigo um novo mundo de ideias.

    Beijo enorme. No coração.

    ResponderExcluir
  6. Ai lindona... Você sabe que sou sua fã né? Você como comunicadora vai ser a melhor!! Eu profetizo!! Você a cada dia se destaca mais.. não para não, to sempre aqui... mesmo q tempo corrido!!
    Beijosssss
    amocê demaissss irmã loira! =)

    ResponderExcluir