domingo, 29 de agosto de 2010

E sem ele não tem festa!!!


Depois de cinco anos trabalhando com festas não teve jeito, me rendi aos encantos dessa inebriante bebida.

Champagne, prosecco... esses são nomes indicativos da região a qual foi produzido o vinho, o Espumante.

O que diferencia esse dos demais vinhos é a dupla fermentação, resultando nas famosas borbulhas, que levam o nome de perlage, consequência da presença do dióxido de carbono.

Mas não estou aqui para dar nenhuma aula de enologia. Quis falar sobre esse vinho específico por causa de sua grande ligação com as comemorações.

É impossível falar em celebração sem ouvir: "vamos estourar um champanhe!" Aliás, o termo "estourar" é uma agressão a qualquer enófilo. É um pecado quase que mortal fazer aquele grande estouro com a rolha de um espumante. Chacoalhar a garrafa então, é matar Madame Clicquot pela segunda vez! Segundo os estudiosos, perde-se gás e com isso um pouco do paladar do vinho. Opa... entrando na aula de enologia de novo!

Definições técnicas a parte, o fato é que não há no mundo uma bebida que evoque tanta alegria quanto o vinho espumante. É presença obrigatória em qualquer comemoração! E na minha opinião, também em qualquer adega que se preze.

Para os casamentos então, nem se fala. Numa festa tão linda, onde o tema principal é o amor, o espumante ganha papel de destaque.

Costumo sempre indicar o espumante como opção de bebida em festas, primeiramente pela grande aceitação do público, também por combinar perfeitamente com o nosso clima (a temperatura do vinho, geralmente baixa, junto com as borbulhas dão uma sensação de refrescância), e principalmente por ser extremamente fácil de se harmonizar com os mais diferentes pratos. Ou seja, é sucesso na certa!


A taça do tipo "flûte" é específica para espumantes. Seu desenho preserva o gás e as propriedades da bebida.

Claro que temos inúmeros tipos de vinhos espumantes no mercado, mas nem sempre o mais caro é o que mais agradará aos convidados. Dentre as classificações, os melhores para servir em eventos com um número considerável de pessoas é o sec e o demi-sec (meio seco).

Temos também o Frisante tomando conta das festas mais jovens e descoladas. São vinhos levemente gaseificados, de baixo teor alcólico e geralmente semi-doces. É uma boa opção também, principalmente para o bolso, visto que os vinhos frisantes costumam ter o preço mais acessível. Os mais badalados tem sido os italianos Lambrusco. Embora o Brasil também esteja com uma boa produção de vinhos frisantes. As vinícolas Miolo e Salton contam com ótimos exemplares.

Mas não importa o origem, o preço, o tipo... o importante é a qualidade do vinho, a preferência de cada um, e claro, a companhia!

"Borgonha faz com que você pense bobagens;
Bordeaux faz com que você fale sobre elas, e Champagne faz com que você as cometa." - Brillat-Savarin

Salute!

Um comentário: