terça-feira, 24 de maio de 2011

A última conversa

Estavam frente a frente. Depois de tanto tempo tentando ela finalmente conseguiu que ele a escutasse. Foi difícil.
Tantos meses, tanto amor desperdiçado. Loucuras e declarações desesperadas. O fim.
Foi especial um dia. E ela se apunhalava a cada manhã na esperança de uma dose ínfima de um amor que não a pertencia. Tentou por tempos. Não conseguia mais.
Não suportou a dor do desprezo de quem um dia lhe devotou tanto carinho. Ele havia mudado. Mas, por quê? Teria o sentimento transformado? Teria mesmo existido algum sentimento?
As dúvidas permeavam sua mente deixando-a num misto de fantasia e realidade. No início decidiu abstrair. Fingia estar anestesiada a cada nova ferida. Até que atingiu a carne. E sangrou.
Para estancar, pressionava ainda mais o ferimento. Doía. Ela queria o fim. Implorou por isso.
Mas ele não permitia sua partida. Tinha medo de escutar. O amor não existia, mas havia a posse. E ele a possuía como um ser dependente de seu ar pra respirar. Ele não poderia viver sem aquela que tanto precisava de sua existência. Não aceitava ter a conversa final. 
Todos os dias chegava em casa e ignorava o fato de ter alguém por perto. Alguém em desespero por amor, ou por uma libertação. Checava seus e-mails enquanto ela simplesmente o olhava, sentada do outro lado da sala com seu livro de romance espírita na mão. Tomava chá. Ele, café sem açúcar.
Em uma das tentativas de ser notada, esperou que chegasse no final de mais uma tarde e atraiu-o para o quarto. Trancou a porta. Estavam frente a frente. Depois de tanto tempo tentando ela finalmente conseguiu que ele a escutasse. Foi difícil.
Passaram-se horas. O silêncio era o único manifestante. E assim passaram a noite. 
Acordaram exaustos de uma discussão que não saíra da mente. E desceram para a mesa do café. Pra ela chá. O dele, sem açúcar.

4 comentários:

  1. Nossa, a qts casais cabe essa carta. Tão verdadeira.

    Beijo no coração, lindona.

    ResponderExcluir
  2. Adorei!!
    Mto bem escrito!!

    bjo
    http://feedbackpositivoagora.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Um dia o amor próprio fala mais alto... e em alguns casos o café ou chá já não importa se tem ou não açúcar...

    ResponderExcluir