sábado, 4 de setembro de 2010

A internet - vilã ou mocinha?


















É um assunto sempre em evidência. Atacada por regressistas alienados, e ferrenhamente defendida por nerds neuróticos, a nossa queridinha Internet está sempre na berlinda (digo "nossa" porque se você está lendo isso é porque usa a internet, logo, aprecia também essa... hum... digamos, espécie de arte. Por que não?).

É inegável os avanços que a internet trouxe a nós, reles mortais. Ganho de tempo, dinheiro, conhecimento. Tudo isso a um click. Não é o máximo?! Ai gente, desculpa, mas sou uma caipira deslumbrada com esse mundão virtual! Não canso de admirar quanta coisa bacana a gente faz por aqui!

Posso afirmar que 90% dos meus trabalhos são fechados graças e através da Internet. Muito do que eu sei hoje como profissional também devo à infindável gama de informações especializadas disponíveis na rede.

Mas todos nós sabemos que nem só de coisa bacana vive o "www". Por trás de um PC inofensivo podem se esconder bandidos, psicopatas, amores impossíveis (ai ai)...

O fato é que a Internet tem um poder magnético de atrair ou repelir o que (ou quem) quer que seja. 














Hoje em dia não existe gente burra. E sim, quem ainda não conhece o google. Músicas, vídeos, pesquisas, e-commerce, sites de relacionamentos, notícias, jogos. Ocupação (ou falta dela), a gente vê por aqui!

Tanta ocupação gera invariáveis desentendimentos: pais e filhos; namorado e namorada; empregado e patrão... Talvez às vezes percamos a noção mesmo. É... talvez... às vezes.

Há quem diga que é um meio frio de se relacionar. Mas só quem já trocou e-mails apaixonados, declarações por DM ou brigas pelo MSN sabe que, frio é aquele que não tem sentimentos. E toda forma de demonstração de carinho é válida, seja perto ou há quilômetros de distância.

Vou pular a parte da nova moda do "fora virtual" tá. A covardia de uma pessoa ao terminar uma relação com um "block" é tão desprezível que não merece meus argumentos. 

Pessoalmente falando a internet mudou minha vida. A considero uma droga pesada, e ao mesmo tempo uma cura para alma. Tipo aquela frase: "Posso ser um remédio e posso ser um veneno. Saiba respeitar a dose..." Traz risos, curiosidades, angústias, amores, dores, enfim.

Agradeço demais aos maiores tesouros que a rede me trouxe: as amizades. É simplesmente impagável o fato de pessoas tão especiais terem entrado na minha vida de uma forma tão verdadeira e intensa. Não sei se serão para vida inteira, na verdade nem quero saber. Sei que são para AGORA e é o "agora" que eu quero viver! (úia, rimou!)

Besos!


Um comentário: