domingo, 24 de outubro de 2010

Amor real.

Lendo esse post no blog da minha amiga Cris Paulino, me veio na cabeça qual o conceito que nós temos do que vem a ser a pessoa ideal.

As revistas transcrevem o modelo perfeito pelo qual devemos nos apaixonar: carinhoso, íntegro e rico.
Nossa mãe também dá suas recomendações: "o homem sempre deve gostar mais filhinha, porque mulher já é boba por natureza, apaixonada então..."
E nós passamos a vida procurando moldes prontos. O rapaz lindo, pós graduado, inteligente e gentil. A moça escultural, bem humorada, independente e que adora sexo.

Mas nem sempre é assim. Pensando bem, quase nunca é. De repente você resolve se apaixonar pelo frentista do posto ou pela secretária do seu dentista.

Ele tem um jeito lindo de te olhar, mas fala muito palavrão. Ela teima em fazer escova naquele cabelo cacheado lindo, mas faz uma massagem na nuca que te arrepia.
Na verdade ele não se veste como você gostaria, e seu gosto musical é duvidoso. Ela usa aquele salto só pra ficar maior que você, e você detesta isso.
Ele não liga quando promete e mente de vez em quando. Ela é melosa demais e não gosta muito dos seus amigos.
Ele fala três línguas e ela nunca saiu do país. Ela pratica todas as regras de etiqueta e ele odeia colocar o guardanapo no colo.
Ela bebe. Ele fuma. Você quer pizza e ela sushi. Praia! Não, serra gaúcha!
Ele te faz chorar. Ela te dá nos nervos.

E daí? É a pessoa que você ama!
Ele te faz rir e ela é uma super companheira! Vocês compartilham das mesmas loucuras. Existe vontade de estar junto sempre. Ele te beija na testa e te acolhe no peito. Ela te abraça devagar e brinca de fazer cachinhos com seu cabelo. Os corpos entram em combustão quando se tocam. Ai, quando ele sussurra no seu ouvido... Vocês aprendem juntos. Se importam um com o outro.
Você quer cuidar dessa maluquinha. E tudo que ela mais quer é acordar do seu lado, mesmo que você não esteja com aquele hálito mentolado de sempre.

Isso é amor. Sem idealismos, rótulos. É o amor possível, cotidiano... é o amor real.

"Quem um dia irá dizer que existe razão nas coisas feitas pelo coração? E quem irá dizer que não existe razão?" - Renato Russo

Bacio...

2 comentários:

  1. Quase sempre a pessoa ideal não é a mais adequada.

    É só uma questão de escolhas...

    Estamos jogando com a vida, e ela tem um jeitinho bem peculiar de nos colocar em check todo o tempo.

    "Quando o jogo acaba, o rei e o peão vão para a mesma caixa." (João Saldanha)

    Sem mais palavras, trenzim...

    Adorei o post!

    Bjo.

    @ChrisRibeiro

    ResponderExcluir